Adquira seu livro aqui!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

É como andar de bicicleta...

 
viverbemonline.wordpress.com

Sei não. Hoje, depois de uns 15 anos sem andar de bicicleta, resolvi me arriscar, já que meu joelho anda doendo um pouco e a caminhada ficava inviável. 

Até o Maracanã a bicicleta foi levada por meu husband,  que sabia que eu andava sem prática e ficou com medo da sua amada se arriscar no trânsito da Av. Maracanã. Chegando lá, coloquei o pedal um pouco para cima e dei aquela subida de mestra, de quem tem anos de experiência com o brinquedo. 

Nunca dei muita bola para bicicletas masculinas ou femininas, era crack, e, como tal, não importa muita a marca da bola. Só que, ainda bem que a que estava comigo no momento era a feminina, por pouco, muito pouco, não fico com a perna no meio do caminho. Havia esquecido que não sou mais uma menina e que a flexibilidade já havia ficado há alguns anos atrás. 

Resolvido esse primeiro probleminha, comecei a dar minhas primeiras pedaladas, meio tortas por sinal, tanto que quase atropelei um casal que estava à minha frente. Pulou um para cada lado, para não serem atingidos por mim. E, embora eu tenha repetido várias vezes .. sorry, sorry, sorry, eles me xingaram, xingaram também minha mãe e com certeza minha avó e tataravó. Meio que sem graça, segui o meu caminho.

Por causa das obras do Maracanã, uma parte da ciclovia está interrompida, o que nos coloca direto na radial oeste. Senti-me uma competidora, achei até possível comprar um capacete daqueles de ciclistas. Minha emoção durou até ouvir uma buzina super alta que quase me fez cair da bicicleta e, em seguida, mais xingamentos. Coitada da minha mãe que não tem nada a ver com minhas aventuras.

Na segunda volta, meu marido correndo e, portanto, mais rápido que eu, não podia me socorrer. Precisava urgentemente de uma almofadinha para o selim. Fiquei desesperada. Meus glúteos estavam tão machucados que achei que iria precisar de um enxerto. Ainda bem que lembrei que estava com um casaco no pescoço. E, já que ele era muito fofinho, virou almofadinha. Aliviou um pouco, mas não resolveu. Mas eu não estava disposta a desistir, meu ritmo estava melhorando tanto que eu já havia ultrapassado o maridão e já estava fazendo algumas gracinhas. Mas aproveitei para ouvir minhas músicas preferidas e também para evitar mais xingamentos.

Estava tudo indo às mil maravilhas quando, de repente, no meio da terceira volta, avistei um grupo de umas cinqüenta pessoas  com malas, colchonetes, e máquinas para todos os lados. Do Maracanã saem várias excursões para os mais diferentes trajetos. Não tinha mais jeito, eu estava muito em cima para parar. Não sei de onde apareceu tanta gente de uma volta para outra. Mas eles estavam lá, arrumadíssimos para uma foto daquelas para a posteridade. E eu, ali, humildemente tentando passar pela ciclovia. Não deu tempo, e para não cometer um atropelamento em massa, dei uma freada tão brusca que, claro, com o reflexo atrofiado, anos e anos sem treino, acabei me enfiando no meio das malas.

Não é nada engraçado, e se você está rindo aí do outro lado pode parar. Morri de vergonha! A minha salvação, já que Deus é justo, é que começou uma chuva repentina. Todo mundo saiu correndo, mas não antes de me xingarem, e agora em grupo. 

E eu agradeci a chuva, primeiro, porque ela evitou de eu ser linchada e, segundo, porque tive a desculpa que eu precisava para ir embora. Havia prometido ao meu marido que daria 5 voltas, mas, na chuva, ele entendeu que eu poderia ficar resfriada. Achou melhor mesmo irmos embora. 

Bem, tomara que seja tudo de ruim por hoje, afinal, mais tarde, tem a minha entrevista.

Por favor Senhor, ninguém merece. Que eu não tenha feito feio na telinha.
_________________________________________________________________________________

Depois de um tempo....  Caso tenha curiosidade, a entrevista foi show!!! Tá duvidando? Pode conferir aqui.



14 comentários:

Hiane Neves disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...Se eu te falar que isso já aconteceu comigo vc acredita ?!?!?!kkk
E Quanto a mais tarde , Relaxe vai dar TUDO certO !♥ bjos !

Anônimo disse...

Nossa!!! Me lembrei do dia que fui matar saudades dos patins e atropelei todas as lixeiras do meu condominio, apos descer a ladeira em alto estilo.... kkkkk
Mais tarde será incrível, como você!
bjs
Anmar

®ê Werneck disse...

Ainda bem que vc liberou o nosso riso ! Ainda bem que eu sei que vc vai continuar tentando :)

Boa entrevista hj. Vou ver se passa na internet, pois não tenho NET :( Bjuuuuu

Fabíola disse...

hauhauhauhauhau... morri de rir!!!! quando eu comprar minha bicicleta já sei com quem NÃO vou andar do lado... rsrsr.. pq senão seremos duas a atropelar um monte de gente!!! HAUHAUHAUHAU.... Adorei!!!

Me deu mais vontade de comprar a minha bicicleta... ;)

Bjs!

Geisa disse...

kkkkk
É isto mesmo, comigo foi parecido...lá na Guarú...fiquei emprestável por dois dias e arrumei um hematoma nos "glúteos".
Ficava rezando para não vir ninguém na contra-mão, pois só essa expectativa, já me fazia fazer zigue-zagues...
Beijinhos

Jessica Martins disse...

Nossa , que engraçado , vai tudo dar certo pra vc ,
pois vc é uma pessoa maravilhosa , isso só foi pra tirar a tensao uasuhsuasua e rir bastante.
Beeijao boa sorte.

sandrine disse...

The day after - meninas a coisa é séria. Mas, pelo que estou vendo muitas já passaram por isto. Vou desistir nada, só melhorar um pouquinho que vou lá de novo.

Bjs

alcelina disse...

E eu que estava com vontade de andar de bicicleta.
Hahahaha. Vou ficar quietinha e deixar a vontade passar.
Só a da academia, e olha lá.
Assim não repíto o mico e minha mãe fica a salvo.
bjim
alcelina

Carlos Alexandre disse...

Enquanto a Sandrine pedalava para lá e para cá, atropelando pessoas e coisas, eu ralava a sola do tênis em volta do Maraca em obras. Na Radial Oeste (ou seria Radial Faroeste ?) cheguei a lembrar meus tempos de garoto, onde corria pelas ruas do subúrbio descalço, de short e sem camisa. Naquela época não havia internet, msn, orkut, blog, facebook, twitter. Ninguém precisava ter login e senha para ser feliz. Andei de carrinho de rolimã, brinquei de garrafão e carniça e vi National Kid na telinha preta e branca. No futebol, deitava meus cabelos em cima da turma. Na escola, carregava a bandeira da Guanabara, porque quem levava a do Brasil era o filho da diretora. Saudade da Terra de Gigantes, Johnny Quest e Perdidos no Espaço. Túnel do Tempo, aí vou eu! Demais !!!!!!!!!!!!!

sandrine disse...

Prima, nada de ficar quietinha,vá comprar sua bicicleta e ser feliz.

Amor, amei o comentário. Bjs

Kali Vieira disse...

Ai sogrinha, tadinha .. eu não vou negar que ri! desculpa xD
Acho que já pedi tanto pro Kazui me levar pra andar de bicileta lá (a bicicleta de vocês mesmo =P) que até tinha desistido, mas depois dessa acho que prefiro não arriscar .. eu já sou toda atrapalhada !! imagina >.>''

Ah .. o tio Alexandre me lembrou meu pai .. só que meu pai relembra os tempos dele vendo "Terra de Gigantes" e etc no youtube .. fica a dica tio ..

Anônimo disse...

Oi Sandra,foi realmente uma aventura .
Lembrei de quando aprendi a andar de bicicleta."Bambiei" muito, mas nunca atropelei ninguém,rsrsrs...
Bjks, Mônica-profªC.E.E

Flávio Nunes. disse...

Olá Sandra,

Obrigado por ter deixado o link lá no meu Twitter. Muito boa a sua história. Escreve de uma forma que gosto muito.

Abração,

Flávio Nunes.

kalleb ray disse...

Obrigado pelo convite, tenho um belo final de noite, abraços.

Postar um comentário

O Clube do Salto: É como andar de bicicleta... - 2011 Theme by Kali Vieira